Pílula do dia Seguinte faz Mal? Quanto Custa, Efeito Colateral

pilula do dia seguinte faz mal

A dúvida mais comum entre as mulheres é: Afinal, pílula do dia seguinte faz mal? Quais são os efeitos colaterais que o uso pode causar? A pílula do dia seguinte só é usada como contraceptivo de urgência, normalmente usado após relações desprotegidas, esquecimento da pílula anticoncepcional, rasgos na camisinha, etc. O medicamento ajuda a prevenir a gravidez indesejada e a fórmula é composta por altíssimas doses do hormônio feminino, que age diretamente impedindo a fecundação do espermatozoide no óvulo. O efeito só dá certo se a pílula for tomada em até 72 horas após a relação desprotegida.

O ideal é sempre usar camisinha e outros tipos de proteção. Porém, muitas pessoas acabam esquecendo e não se protegem. O uso da pílula do dia seguinte não pode virar rotina, mas se por acaso acontecer, o ideal é usar o medicamento em até 72 horas após a relação para evitar a gravidez indesejada. Para comprar, basta ir até a farmácia mais próxima, mas lembre-se de ir a um médico antes para saber se você pode fazer uso da pílula.

Como Tomar a Pílula do Dia Seguinte? Passo a Passo

Tomar a pílula do dia seguinte corretamente é indispensável para diminuir as chances de uma gravidez indesejada. Siga corretamente o que diz na bula do medicamento. Para facilitar, abaixo é possível conferir o passo a passo de como tomar.

  1. Compre sua pílula em qualquer farmácia. Também é possível conseguir gratuitamente em alguns postos de saúde.
  2. Se o medicamento viver com dois comprimidos, tome o primeiro em até 72 horas (quanto antes, melhor. Não deixe passar de 72 horas, pois a eficácia diminui) após a relação desprotegida.
  3. Tome o segundo comprimido 12 horas após tomar o primeiro.
  4. Já se o medicamento vier com apenas um comprimido, tome ele em até 24 horas após a relação sexual.

Pílula do Dia Seguinte faz Mal?

Não. A pílula do dia seguinte não faz mal se for usado apenas uma vez ou outra. Recomendamos apenas que não faça o uso da pílula do dia seguinte como uma rotina, pois o medicamento possui altas doses dos hormônios femininos e desregula a menstruação. Portanto, evite o uso com muita frequência. Só use esse tipo de medicamento em casos de emergência. Sempre se proteja nas relações sexuais para não precisar recorrer às pílulas.

Pílula do Dia Seguinte Pode Falhar?

A pílula pode falhar caso não seja tomada da maneira correta. Portanto, fique atenta e use o medicamento corretamente de acordo com o que está escrito na bula do remédio. Se o remédio for usado corretamente, o risco de gravidez é quase 0. Abaixo é possível conferir um gráfico que representa os melhores horários para tomar a pílula do dia seguinte após a relação sexual desprotegia.

pilula do dia seguinte como usar

Pílula do dia Seguinte Valor – Quanto Custa?

São diversas as opções de valores. Escolha a melhor opção para o seu bolso. Na farmácia peça ajuda ao farmacêutico. Com certeza ele irá indicar o melhor preço e a melhor pílula para você.

Pílula do Dia Seguinte Efeitos Colaterais

pílula do dia seguinte

O uso da pílula do dia seguinte pode causar alguns efeitos colaterais, que são perfeitamente normais. Não faça uso desse tipo de medicamento com frequência, use somente em casos de extrema emergência.

  • Níveis de hormônios altíssimos
  • Desregula a menstruação
  • O uso contínuo aumenta as chances e riscos de câncer de mama, trombose
  • Dor de Cabeça
  • Náusea e vômito
  • Dores musculares
  • Dor nos seios
  • Ansiedade
  • Ausência ou atraso de menstruação
  • Dor nas costas

Como a Pílula do Dia Seguinte Age no Organismo?

A pílula age de acordo com a fase do ciclo menstrual feminino. A pílula do dia seguinte funciona de três maneiras diferentes. Confira abaixo como funciona essas três fases.

  • Se a mulher já tiver ovulado, a pílula age impedindo que o óvulo seja fecundado pelo espermatozoide no útero. Assim, consegue evitar a gravidez
  • Se a mulher estiver prestes a ovular, a pílula age inibindo e retardando a ovulação. Por causa disso, não é possível que o espermatozoide fecunde o óvulo
  • Em qualquer outra fase feminina, a pílula age aumentando a viscosidade do muco vaginal, impedindo a chegada do espermatozoide ao útero.

pílula do dia seguinte

Pílula do Dia Seguinte Menstruação

É comum que o uso da pílula anticoncepcional cause ausência ou atraso da menstruação. Isso é normal e muito comum, pois o medicamento possui altas doses de hormônios femininos, que podem desregular o período menstrual.

Nomes da Pílula do Dia Seguinte, Preço e Onde Comprar

Na farmácia, existem diversas opções de anticoncepcionais e preços disponíveis, mas esses são os mais usados:

  • Poslov
  • Diad
  • Pilem
  • Postinor-2
  • Pozato
  • Minipil2-Post

pílulas do dia seguinte

Tipos Comuns de Pílula do Dia Seguinte:

Existem dois tipos de pílula do dia seguinte: As que são compostas por apenas uma pílula composta de progesterona. As marcas de apenas uma pílula mais conhecidas são: Prozato Uni, Neodia, Postinor Uno. E também tem a opção de medicamentos que vem com duas pílulas, compostas por levonorgestrel e estrogênio. As marcas mais conhecidas são: Diad, Pilem e Norlevo.

Pílula do Dia Seguinte Diad – Bula

“Diad é um contraceptivo de emergência que pode ser usado para evitar a gravidez após um coito desprotegido ou quando há falha conhecida ou suspeita de um método contraceptivo. Para obter a máxima eficácia, o primeiro comprimido deve ser tomado o mais breve possível, dentro de 72 horas (três dias) após coito. O segundo comprimido deve ser tomado 12 horas após o primeiro.

Como um contraceptivo de emergência, Diad é indicado:

  • – Quando nenhum contraceptivo foi usado;
  • – Quando um método contraceptivo possa ter falhado, incluindo: ruptura, deslizamento ou emprego incorreto da camisinha; desalojamento, rompimento ou remoção antecipada do diafragma ou do tampão; falha na interrupção do coito (por ex.: ejaculação na vagina ou na genitália externa); cálculo incorreto do método periódico de abstinência; expulsão do DIU e pílulas contraceptivas orais regulares tomadas de forma inadequada em um ciclo;
  • – Em casos de estupro.

Contraindicação do Diad

Diad não deve ser administrado em casos de gravidez confirmada, em casos em que não puder ser descartada a vigência de gravidez, recomenda-se a confirmação laboratorial antes da administração do medicamento (a paciente deverá estar ciente de que a medicação não será eficaz caso haja vigência de gravidez), pacientes com hipersensibilidade a quaisquer dos componentes de sua fórmula, situações em que haja ocorrência de sangramento vaginal anormal e de origem ainda não esclarecida.

Como usar o Diad

Um comprimido de levonorgestrel deve ser tomado o mais breve possível, conforme as indicações citadas, não ultrapassando 72 horas após o coito desprotegido. O segundo comprimido deve ser tomado 12 horas após a primeira dose. O tratamento não deve ser desnecessariamente tardio já que a eficácia pode declinar com o tempo. O levonorgestrel pode ser usado a qualquer período durante o ciclo menstrual. Se ocorrer vômito dentro de 2 horas após a ingestão do comprimido, deve-se repetir a dose.

Precauções do Diad

Após um único ato de coito desprotegido, o tratamento pode falhar em cerca de 2% das mulheres que usam Diad mesmo dentro do prazo de administração de 72 horas após o coito. O tratamento não deve ser tardio já que a eficácia pode declinar se o mesmo for iniciado após as primeiras 24 horas. O índice de falha de Diad está baseado em uma única utilização do medicamento. Caso Diad seja usado em mais que uma ocasião, o índice de falha cumulativo poderá ser mais elevado. Diad é recomendado somente para as situações de emergência listadas acima; não sendo indicado para o uso rotineiro como contraceptivo.

Diad não deve ser administrado e não terá eficácia caso haja vigência de gravidez. A utilização de Diad não auxilia na prevenção de doenças sexualmente transmissíveis. Antes de iniciar o tratamento, caso haja suspeita de gravidez, a mesma deve ser excluída. Avaliação médica e laboratorial prévia em geral não é requerida para o uso da medicação conforme suas indicações, a menos que haja suspeita de gravidez ou de patologias associadas. Em pacientes portadoras ou com história de doenças hepáticas ativas ou tumores hepáticos; em doenças da vesícula biliar; carcinoma de mama, útero ou ovário; tromboflebite ativa ou doenças tromboembólicas, cardiopatia isquêmica, acidente vascular cerebral, trombose de retina, embolia pulmonar prévia; diátese hemorrágica; história prévia de: hipertensão intracraniana idiopática, de gestação ectópica, de icterícia gravídica ou decorrente de uso de anticoncepcionais, Diad deve ser administrado após consideração cautelosa da relação risco/benefício.

Outras condições que requerem observação cautelosa também, são: asma, doenças cardiovasculares severas, hipertensão, enxaqueca, epilepsia, doenças renais, diabetes mellitus, hiperlipidemias (hipertrigliceridemia, hipercolesterolemia) e história de estados depressivos severos.

Os padrões de menstruação podem ser irregulares entre as mulheres que fizeram uso da medicação. A maioria das mulheres terá sua menstruação ocorrendo dentro do prazo previsto. Em 57% dos casos, a menstruação ocorrerá dentro de um intervalo de 3 dias em relação ao dia esperado. Em 15% dos casos, pode ocorrer atraso entre 3 a 7 dias e em 13%, superior a 7 dias. Antecipação da menstruação também pode ocorrer em 15% dos casos. Em mulheres que já apresentaram gestações ectópicas e apresentam atraso menstrual após a utilização de Diad, deverá ser descartada a possibilidade de gravidez normoposicionada. A possibilidade de gestação ectópica, apesar de rara, deverá também ser eliminada.

Reações Adversas do Diad

Os efeitos adversos mais comuns são:

  • – Náusea – ocorre em cerca de 23,1% das mulheres tomando Diad;
  • – Vômito – pode ocorrer em cerca de 5,6% das mulheres tomando Diad. Se ocorrer vômito dentro de duas horas da administração das pílulas contraceptivas de emergência, a dose deve ser repetida;
  • – Tontura (11,2%);
  • – Fadiga (16,9%);
  • – Cefaleia (16,8%);
  • – Sensibilidade dos seios (10,8%);
  • – Dor abdominal inferior (17,6%);
  • – Outras reações adversas (diarreia e algum sangramento irregular ou sangramentos pontilhados) (13,5%).

Algumas mulheres podem experimentar pequenos sangramentos de escape após tomar Diad. A maioria das mulheres terão seu período menstrual seguinte no tempo esperado ou mais cedo; se houver um atraso da menstruação de mais que uma semana, a possibilidade de gravidez deve ser considerada.

Gravidez e lactação:

As pílulas contraceptivas de emergência não devem ser administradas a uma mulher que tenha uma gravidez confirmada. Em caso de suspeita de gravidez, recomenda-se o diagnóstico laboratorial antes da administração da medicação. Não há nenhuma evidência sugerindo que as pílulas contraceptivas de emergência sejam prejudiciais à mulher ou a uma gravidez existente ainda não-diagnosticada e que, em caso de mulheres que amamentam, este produto poderá ser utilizado após 6 semanas pós-parto.

 

Composição do Diad

Cada comprimido contém:

Levonorgestrel 0,75 mg
Excipientes* q.s.p. 1 cpr

* Amido de milho, amidoglicolato de sódio, dióxido de silício, estearato de magnésio, lactose e talco farmacêutico.

Superdosagem do Diad

Efeitos adversos sérios não têm sido relatados após ingestão aguda de doses grandes de contraceptivos orais por crianças. A superdosagem pode causar náusea e pode ocorrer hemorragia nas mulheres por descontinuação. Em caso de superdosagem, procure orientação médica.

Cuidados de Armazenamento do Diad

Diad, quando conservado em temperatura ambiente (entre 15 e 30ºC), protegido da luz e umidade, apresenta uma validade de 24 meses a contar da data de sua fabricação. Nunca use medicamento com o prazo de validade vencido. Além de não obter o efeito desejado, pode prejudicar a sua saúde.

Mensagens de Alerta do Diad

Este medicamento causa malformação ao bebê durante a gravidez.” [ Fonte da Bula Aqui ]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *